sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Viajar e estudar



Erasmus Mundus lança bolsas para mestrado em “mercados globais” na Europa
Por Priscila Bellini
08.10.2017





programa GLOCAL, do Erasmus Mundus, está com inscrições abertas até 12 de janeiro de 2018. O mestrado em mercados globais reúne temáticas de quatro áreas: História Econômica e Social, Negócios, História e Economia. 

Com duração de dois anos, o “Global markets, local creativities” permite que os alunos estudem em quatro universidades parceiras. No primeiro semestre do curso, o estudante tem aulas na Universidade de Glasgow, no Reino Unido, e, no segundo, na Universidade de Barcelona, na Espanha

Já no terceiro semestre, é a vez de escolher uma especialização dentro do mestrado. Para quem quer estudar a história da globalização e o papel das indústrias criativas, o caminho é a Erasmus University Rotterdam, nos Países Baixos. Agora, se o foco é marketing, empreendedorismo e desenvolvimento, o aluno faz a especialização na Universidade Göttingen, na Alemanha

No último semestre, os estudantes elaboram a dissertação. Vale lembrar que, entre o primeiro e o segundo ano do mestrado, há ainda a summer school ligada ao Erasmus. 

Como se candidatar ao mestrado em mercados globais
Para se candidatar, é necessário preencher a application online para o Erasmus e para o programa de mestrado, como indica o passo a passo elaborado pela Universidade de Glasgow. Entre os documentos exigidos, estão histórico escolar, currículo, duas cartas de recomendação e comprovação da proficiência em inglês (por testes como TOEFL e IELTS). 

Já na application, é necessário sinalizar as universidades escolhidas pelo aluno, indicando a preferência entre Rotterdam ou Göttingen. 

Quais os benefícios da bolsa
Há duas opções de candidatura para o programa: com ou sem a bolsa do Erasmus Mundus. Para cobrir os gastos do aluno, a apoio financeiro inclui uma ajuda de custo mensal de mil euros, além de auxílio-viagem de três mil euros. Os benefícios cobrem ainda os gastos com taxas universitárias e um valor de mil euros para instalação no país de destino. 

Para obter mais informações sobre o mestrado em mercados globais, basta acessar o site da Universidade de Glasgow.


terça-feira, 26 de setembro de 2017

Obama, líder sempre



Fundação Obama anuncia primeira edição de programa de bolsas e mentoria
Por Priscila Bellini





A fundação criada pelo ex-presidente americano Barack Obama e pela ex-primeira-dama e advogada Michelle Obama anunciou recentemente um programa focado em jovens líderes. A iniciativa da Obama Foundation engajará 20 jovens do mundo todo em quatro encontros presenciais, além de mentorias, cursos e treinamentos. As inscrições para esta primeira turma vão até 6 de outubro.  

Para se inscrever, é necessário ter, no mínimo, 18 anos e ser um líder ativo em sua comunidade, focado em impacto social. Ao longo da candidatura, feita no site da Obama Foundation, o jovem deve explicar quais os impactos de seu trabalho, quais são seus próximos passos e como a fellowship pode ajudá-lo a chegar lá.


Também é necessário responder a perguntas tal qual “como você trouxe mais pessoas para sua causa, com o objetivo de gerar mudança” e citar “um assunto em que mudou de opinião e porquê”. Ao fim do processo de application, o candidato deve submeter ainda um vídeo de 60 segundos falando sobre si mesmo e disponibilizar o contato de três referências que conheçam seu trabalho. 

Confira mais detalhes sobre a application no site Obama.org.

O que é a Obama Foundation
Criada pelo casal Barack e Michelle Obama, a organização lançou em janeiro uma campanha para conhecer quais ideias os americanos dariam à entidade, uma “startup da cidadania”. Os planos incluem transformar a iniciativa, com sede na cidade americana de Chicago, em um centro para debater ideias e projetos com impacto social. Segundo o site da Obama Foundation, há mais iniciativas a caminho, incluindo conferências e encontros com líderes globais.

domingo, 10 de setembro de 2017

Cuidado com suas fotos na rede!



10 fotos que você deve apagar antes de enviar sua candidatura
Por Nathalia Bustamante
21.06.2017






Já explicamos aqui no Estudar Fora que a admissão para boa parte das universidades no exterior é “holística” – ou seja, ela leva em conta não apenas o seu desempenho acadêmico mas também seus interesses, atividades extracurriculares e seu “fit” com a instituição de ensino.

Não deve ser surpresa para ninguém, portanto, que os admissions officers se aproveitem também de recursos online para conhecer mais a fundo os candidatos que estão avaliando. Como resultado, a imagem que o estudante passa online pode ser a diferença entre uma carta de aceite e de rejeição.

As fotos de que falaremos abaixo são algumas das que você provavelmente deveria apagar (ou nunca ter publicado) se quiser passar uma boa imagem online.

#1 Problemas com Álcool
“As fotos da nossa festa ficaram ótimas” – mas isso não quer dizer que os admissions officers vão gostar delas. Os recrutadores não ficarão impressionados por estudantes que demonstrem que sua principal fonte de diversão envolve álcool.
Universidades se preocupam com problemas causados pelo consumo excessivo de álcool no campus. Por isso, sua candidatura pode facilmente ir parar na pilha de rejeição se os recrutadores derem de cara com uma foto sua ou de um dos seus amigos desmaiados, vomitando ou com olhar vidrado. Eles podem encarar estas fotos como um prenúncio de mal comportamento que você estiver na universidade.
Adicione à lista de preocupações o fato de que, nos Estados Unidos e em diversos outros países, a idade legal para consumir álcool é 21 anos. Então é provável que os recrutadores não vejam com bons olhos aquela foto sua com uma cerveja na mão no seu aniversário de 18 anos.

#2 Isso são… drogas?
Ainda mais problemáticas que fotos de consumo de álcool são fotos de uso de drogas ilícitas. Mesmo que você ou as pessoas na foto não estejam consumindo drogas de fato – qualquer foto que se pareça ou faça referência ao consumo de drogas pode levar a uma interpretação errada indesejada.
Nenhuma universidade admitirá um estudante que eles acreditam ser usuário de drogas – eles não querem a responsabilidade e nem a cultura de consumo de drogas no campus.
Parece óbvio, mas não custa reforçar: fotos que são evidências de desrespeito às leis – mesmo que seja pescando em local proibido ou dirigindo em alta velocidade – passam uma péssima impressão.

#3 Rebelde sem Causa
Diferente das fotos acima, não é ilegal mostrar o dedo do meio ou fazer algum sinal obsceno para fotos. Mas é realmente esta a imagem que você quer passar? A foto pode até ser engraçada para você e para amigos próximos, mas pode ser encarada como ofensiva ou inapropriada pelos admissions officer.
Se estiver em dúvida, imagine o que sua tia-avó diria se visse essa foto. Ela aprovaria?

#5 Mensagens de Ódio
É bem fácil reconhecer preconceitos de pessoas através das suas contas no Facebook. Se você faz parte de um grupo “Eu odeio ______________”, considere sair dele se o objeto do ódio é qualquer grupo de pessoas. Quase todas as universidades estão buscando criar um ambiente diverso e tolerante no campus. Se você está anunciando seu ódio por pessoas com base em sua idade, peso, raça, religião ou orientação sexual, universidades provavelmente vão considerar que você não é uma boa adição ao corpo estudantil. Qualquer foto que revele preconceitos deve, obviamente, ser removida.
Pelo lado positivo, você pode anunciar livremente seu ódio por câncer, poluição, tortura, fome e pobreza.

#6 Ironia mal interpretada
Lembre-se que as pessoas que estiverem analisando sua imagem online não vão entender suas piadas internas ou seu tom irônico, e nem se dedicar muito a entender o contexto das suas fotos. Álbuns com títulos que para você são piadas, como “Meu irmão é um idiota”, “My School is Full of Losers” ou “Eu odeio bebês” podem soar mal para um estranho. Os recrutadores vão preferir ver um estudante que revele uma boa imagem online de generosidade de espírito, não uma personalidade ácida.

#7 Polêmico!
Este tópico é um pouco mais nebuloso do que as fotos de comportamentos ilegais. Porém, se o seu passatempo favorito envolver algum assunto sensível – como caça, desmatamento ou pesquisa em animais – ou até mesmo se você estiver defendendo um lado particular de um assunto político polêmico, você deve pensar com cuidado antes de publicar fotos das suas atividades.
Isso não quer dizer que você não deva postar estas fotos – mas esteja ciente de que elas podem ter consequências. Idealmente, as pessoas que lerão sua candidatura têm a mente aberta e vão valorizar seus interesses mesmo se estes forem muito diferentes dos seus próprios. Porém, os admissions officers são humanos e seus próprios vieses podem facilmente interferir no processo de avaliação se eles forem confrontados com algo muito controverso ou provocativo.

#8 Demonstrações Públicas de Afeto
Uma foto mostrando um beijo na bochecha não é para se preocupar, mas nem todos os admissions officers serão compreensivos com fotos de demonstrações muito explícitas do seu amor pelo seu namorado(a). Use o seguinte filtro: se os seus pais não gostariam de ver esta foto, os recrutadores também não.

#9 Fotos de Documentos
Esta é uma preocupação que você deve ter não apenas pela impressão que vai passar, mas também por sua própria segurança. Roubo de identidade é um perigo real. Por isso, é uma demonstração de falta de bom senso postar fotos de documentos ou dar informações explícitas de onde você pode ser encontrado (isso também inclui dar “Check-In” na sua própria casa). Se você quer que seus amigos tenham seu endereço e telefone, dê a eles pessoalmente. Nem todos nas redes sociais são seus amigos.
Além do risco, os recrutadores não ficarão nada impressionados com a sua ingenuidade.

Esta matéria foi adaptada de um artigo publicado por Thought.Co. O original (em inglês) pode ser conferido aqui.